O site de RedCLARA usa cookies para te oferecer a melhor experiência possível na web.

Ao continuar a usar este site, você concorda em que armazenemos e acessemos cookies em seu dispositivo. Por favor, certifique-se de ler a Política de Cookies. Learn more

I understand

O impacto de BELLA – Grandes intercâmbios de dados e conectividade de alta capacidade permitirão que o Cherenkov Telescope Array abra uma nova janela para o universo

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A conectividade pode ser um grande obstáculo para organizações globais de pesquisa colaborativa. Essas iniciativas estão progressivamente ganhando destaque no mundo, à medida que a humanidade busca enfrentar os desafios mais urgentes de nosso tempo e responder perguntas sobre o universo.

(By: Rossana Norman, GÉANT - for BELLA

O que é o CTA?

Cherenkov Telescope Array (CTA) será o maior e mais sensível observatório terrestre do mundo para astronomia de raios gama em energias muito altas, com mais de 100 telescópios localizados em dois locais nos hemisférios norte e sul. A base do CTA no hemisfério norte será localizada na ilha de La Palma, Espanha; no hemisfério sul será próxima a Paranal, no Chile. Outras localidades europeias incluem a Alemanha, onde ocorrerá o gerenciamento de dados, e a Itália.

O CTA é o primeiro observatório desse tipo no mundo, e será acessível às comunidades globais de astronomia e física de partículas, abordando alguns dos maiores mistérios da astrofísica, detectando raios gama com uma sensibilidade sem precedentes e expandindo o catálogo de fontes cósmicas em dez vezes.

CTA e BELLA

Uma iniciativa de tal magnitude também possui desafios e enfrenta obstáculos consideráveis, como a transferência de dados do Chile para o centro de gerenciamento de dados na Alemanha e outros fluxos de tráfego entre a Europa e a América Latina. Felizmente, graças ao programa BELLA e às colaborações das redes nacionais de pesquisa e educação na América Latina, será possível atender às demandas de infraestrutura e às grandes necessidades de intercâmbio de dados do CTA.

A base sul do CTA está localizada a menos de 10 km a sudeste do Observatório do Paranal do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Deserto de Atacama, no Chile, que é considerado uma das regiões mais secas e isoladas do planeta - um paraíso absoluto para os astrônomos.

As redes avançadas na América Latina e na Europa, com o Programa BELLA desempenhando um papel fundamental para isso, estão se reunindo para facilitar o compartilhamento de dados e os requisitos de transferência do CTA. REUNA, a rede chilena, cujo backbone tem espectro e fibra atualmente iluminados em múltiplos de 100 Gbps, planeja ser capaz de aumentar as capacidades disponíveis colaborando com o CTA para desenvolver conectividade para a última milha e está procurando desempenhar um papel de coordenação para o entrega da fibra necessária. Em particular, a conexão entre Antofagasta e Santiago é protegida com conectividade de backup para garantir a máxima disponibilidade do serviço que deve garantir a troca de dados ininterrupta para o CTA.

A conectividade fornecida pelo Programa BELLA, financiado pela UE, consistindo no atualizado backbone da RedCLARA do Chile para São Paulo e depois para Fortaleza, no Brasil, e espectro no sistema de cabo submarino  EllaLink para Sines, Portugal, transportará tráfego para o backbone  GÉANT atualmente sendo atualizado pelo projeto GN4-3 também financiado pela UE. Essa cadeia ponta a ponta mais do que atenderá às necessidades de transferência de dados do CTA entre as duas regiões.

Assim que os processos de gerenciamento de dados forem concluídos no Science Data Management Center (SDMC) em Berlin-Zeuthen, conectado à rede nacional de pesquisa e educação alemã, DFN, os dados serão disponibilizados aos pesquisadores, onde quer que estejam, por meio de redes avançadas em todo o mundo.

Benefícios de BELLA

BELLA transforma as possibilidades de transferência de dados na América Latina e na Europa, com capacidades até então não disponíveis garantidas por muitos anos. BELLA também “encurta” a rota entre os dois continentes graças à conexão direta do sistema de cabos EllaLink entre Brasil e Portugal.

O programa, portanto, supre todas as necessidades de banda larga do CTA para a transferência de dados entre o a base Southern Array e os centros de dados europeus, além de permitir reduções de custos consideráveis ​​em contraste com a infraestrutura de conectividade utilizada até então.

A conectividade da BELLA permitirá a transferência segura e rápida para centros de dados para reconstrução de eventos e acesso rápido a dados científicos para os cientistas que têm acesso ao Tempo de Observação do CTA e à comunidade global de pesquisadores.

"Entender nosso universo é um dos objetivos ambiciosos do CTA e projetos como BELLA, ao facilitar a colaboração científica global, trarão benefícios inimagináveis ​​e sem precedentes para nossa iniciativa", comemora Nadine Neyroud, Líder de infraestrutura de TIC do Observatório do CTA.